É um fato que dispositivos móveis dispostos de câmeras e software específicos podem melhorar, e muito, a nossa vida. Pense em um GPS que ao invés de lhe mostrar um mapa com a rota do percurso, ele simplesmente enxerga a estrada e a partir dai te direciona para o seu caminho. Outro fato é que tais experiências fazem falta quando pensamos em comprar algo mais pessoal pela web, como uma camisa, calça, no caso das mulheres, bolsas ou vestidos.

A Razorfish é uma empresa que promete melhorar a experiência das pessoas na hora de uma compra, contando que ela tenha o hardware necessário, o que no caso, é um Kinect. Com a câmera de captura de movimentos da Microsoft, será possível experimentar na TV da sala como o acessório que você tanto deseja ficaria no seu corpo. Um homem poderia ver como aquela gravata vermelha ficaria com sua camisa azul, mulheres poderiam experimentar bolsas. “O consumidor pode analisar visualmente como o objeto ficaria em si, sem nem ao menos entrar numa loja” explica Steve Dawson, diretor do grupo de tecnologia para novas experiências na Razorfish. Ele continua “ao contrario de lojas virtuais existentes onde se utiliza fotos dos produtos por cima de fotos dos consumidores, com o Kinect você pode manipular o objeto, graças ao mapeamento do seu corpo”.

Como pode ser visto no vídeo, o aplicativo abre portas para um outro nível de interação, onde com rapidez o consumidor pode ter uma boa idéia (para não dizer enorme) do que está comprando.

O diretor Steve Dawson avisa que a tecnologia já era testada com outras câmeras de reconhecimento, mas que a Kinect deu um salto interessante em performance. Ele explica que um problema enfrentado não apenas por sua empresa, mas todos aqueles que trabalham com reconhecimento corporal, é a identificação dos dedos de uma mão, e como esse é um comando simples para que o Kinect funcione, eles gostaram bastante. A Razorfish promete mais novidades, já que é esperado que a câmera da Microsoft melhore seu nível de reconhecimento, agora para dedos individuais, nas próximas atualizações.

Fonte: Fastcompany