Localizada há 7.500 anos luz da Terra, a imagem desse verdadeiro berço de novas estrelas conseguiu ser realizada pelo Observatório de Raio-X Chandra, aparelho que faz parte da família de quatro telescópios espaciais da NASA, onde cada um tem a missão de cobrir o Universo em um comprimento diferente de onda: luz visível, infravermelho, raios gama e raios-X. A imagem sugere evidencias de que estrelas massivas tenham se autodestruído, tendo em vista a falta brusca de fontes de raio-X na região norte da foto – um dos dez aglomerados de estrelas da nebula. Foram também detectadas seis possíveis estrelas de nêutrons – núcleos densos, normalmente sobras de uma explosão de supernova -, provas de que a atividade nessa região têm aumentado. Em observações anteriores, apenas uma estrelas de nêutrons foi vista.

Com informações, Physorg.