Half Life, Steam, Gabe Newell, Piracy

A pirataria sempre foi uma constante no mercado de videogames, proteções já foram inventadas, milhares de pessoas já foram presas pelo mundo, mas ela continua por ai, firme e forte. Pensa-se que a pirataria existe devido ao alto preço dos jogos, que nessa geração ficaram ainda mais caros, custando agora $60 dólares em seu lançamento, mas Gabe Newell, dono da Valve, proprietária da plataforma de distribuição digital Steam teceu sua opinião sobre o assunto durante uma conferencia de tecnologia em Seattle.

“A melhor maneira de combater a pirataria não é colocando tecnologia anti-pirataria para funcionar, é simplesmente entregar as pessoas um serviço melhor do que aquele que eles estão recebendo dos piratas” disse o executivo. Para ilustrar suas palavras, ele usou o exemplo do trabalho que a Valve começou na Rússia “Eu disse ‘estamos nos preparando para trabalhar na Rússia’, as pessoas vieram até mim dizendo ‘vocês estão lascados, na Rússia eles pirateiam tudo!’. Bom, posso dizer que hoje a Rússia é o nosso segundo mercado na Europa, atrás apenas da Alemanha. As pessoas que dizem que a Rússia pirateiam tudo são os mesmos que demoram seis meses para localizar seus produtos no país. Tudo é questão de oferecer um bom serviço, não fazendo ninguém esperar”.

As palavras de Gabe fazem sentido em lugares onde a distribuição digital são uma realidade, e tendo o Steam como uma plataforma mundial ao contrário da, por exemplo, Apple Store, ajuda nesse aspecto. No Brasil temos o costume de jogar games em inglês, até preferimos. Mas em outras culturas existe a preferência pelo idioma local, o que a Valve mostra ter feito grande diferença para os seus negócios.

Com informações, CVG.